Categorias
Perda gestacional Pós-Perda

Pré-concepção consciente

Qualquer gravidez requer alguma preparação por parte dos pais. Acima de tudo, esta serve para assegurar que tudo o que está sob o nosso controlo e que vai correr bem. Sobretudo, após uma perda, este sentimento torna-se, ainda mais, acentuado. Afinal, uma perda é algo que não se controla e, por isso, é natural que se queira fazer o possível e impossível para dar a uma futura gravidez as melhores probabilidades possíveis. A isto, chamamos de pré-conceção consciente.

Deste modo, disponibilizamos algumas dicas para estar o mais preparada possível.

Pré-concepção consciente: Alimentação e nutrição

Uma alimentação equilibrada, por parte dos progenitores, contribui para a fertilidade do casal, tal como oferece os nutrientes que a mãe necessita em quantidades suficientes para ela e o bebé. A sua dieta pode afetar o desenvolvimento físico e neurológico do bebé.

Entre as vitaminas a incluir na sua dieta estão, por exemplo, o Ácido Fólico, Vitaminha D e Vitamina B12.

Por exemplo, o zinco atua no sistema imunológico e o cálcio, na divisão celular. Já nutrientes como ácido fólico, ómega 3 e vitamina B12 influenciam diretamente a formação do sistema nervoso do bebé.

Pré-concepção consciente: Exercício Físico

Durante uma gravidez, existem múltiplas transformações no corpo da mulher: a nível hormonal, mudanças anatómicas e cardiovasculares, aumento de peso e outras que podem afetar o seu sistema. O exercício durante a gravidez (exceto em casos em que há contraindicações) é recomendado e influencia como se sente com o seu corpo e até afetar a forma como experiencia o parto. Em Portugal, empresas como a Bebé e Barriguitas, focam-se no exercício físico para mamãs e preparam-nas para o parto (além de as acompanhar durante o pós-parto também).

Pré-concepção consciente: Pediatria pré-natal e obstetrícia

Muitas mulheres já terão o seu ginecologista/obstetra antes da gravidez, mas caso não tenham, e especialmente depois de uma perda, é aconselhável que procure apoio adicional que a possa tranquilizar durante a gestação.

Em relação à pediatria pré-natal, este é o primeiro passo no estabelecimento da relação entre os pais e o médico. O pediatra pode iniciar a família na sua função de pais para que estes possam responder adequadamente às necessidades e comportamento do bebé.

Aconselha-se que a primeira consulta ocorra algures depois das 30 semanas, mas pode começar mais cedo ou mais tarde se assim o desejar.

Estilo de vida

Factores que poderão afetar a sua gravidez:

  • Excesso de peso
  • Excesso de cafeína
  • Consumo de alcool, de drogas e tabaco
  • Medicação que está a tomar
  • Entre outras

Uma gravidez após uma perda é mentalmente difícil. Procure ajuda se precisar.

Apoio Psicológico

Voltar a pensar em recomeçar e voltar a tentar, pode ser muito díficil mentalmente. Assim, pode ser necessário apoio psicológico como acompanhamento por um profissional de saúde ou de uma doula. Apesar de estas áreas serem diferentes, são complementares ao bem estar dos pais.

Pode procurar ajuda aqui.

Importante: Por favor tenha em conta que, apesar da informação presente neste artigo ir de encontro às recomendações de médicos de família e profissionais de saúde, esta não substitui o apoio qualificado. Consulte sempre o seu médico de família e/ou obstetra e outros profissionais que o irão aconselhar de acordo com as suas necessidades.

Talvez queira ler também

Categorias
Ajuda prática Perda gestacional Perda tardia - Depois Pós-Perda

Como lidar com a perda gestacional

lidar com a perda gestacional

Como lidar com a perda gestacional e neonatal?

É uma pergunta aberta e que não tem nem respostas certas ou erradas. Porquê? Porque cada pessoa faz o seu luto e lida com a perda de forma diferente. Há quem queira falar sobre a perda e que não se evite o assunto. Há pessoas mais reservadas que só querem estar no seu canto e que preferem o silêncio. Cada pessoa tem o ritmo naquela que é uma recuperação que tem muitos altos e baixos. Neste artigo, procuramos ajudar a dar algumas respostas sobre como superar esta perda, aliás, como aprender a viver com ela. 

E, lembre-se, o tempo não cura tudo. O nosso processo durante esse tempo e o que fazemos é que ajuda a sarar as feridas. 

Não havendo uma forma certa ou errada, deixamos alguns conselhos que a podem ajudar. 

Conselhos para lidar com a perda gestacional ou neonatal 

Peça ajuda, se precisar 

Se precisar de ajuda, por favor procure-a. Pode ser através de amigos ou familiares em quem confie, através de apoio psicológico ou contactando com pessoas que tenham passado por uma situação idêntica. O Amor para Além da Lua, por exemplo, tem um grupo privado de apoio à perda gestacional onde pode participar. Temos também uma secção de testemunhos com histórias de perda gestacional (precoce ou tardia) e neonatal. 

Relativamente ao apoio psicológico, hoje em dia existem, por exemplo, vários profissionais de saúde especializados no luto que a podem ajudar a lidar com a perda gestacional. 

Não se apresse “a ficar bem” e a reagir 

É muito comum as pessoas, não sabendo o que dizer, tentarem ajudar ao dizer “tens de superar e ter força”, “és nova vais ver que bem rápido vais ter outro filho”, “anima-te”. A intenção é a melhor e a nossa tendência é julgar-nos e acharmos que temos de reagir e ultrapassar. Às vezes, ao querer fazer o caminho mais curto, não nos permitir sentir tristeza e pensar no assunto, é apenas varrer “um assunto para debaixo do tapete” e adiar o inadiável. É importante deixarmo-nos sentir tristeza, levarmos o nosso tempo, fazermos o nosso luto. 

dias difíceis após a perda gestacional

Aceite os seus sentimentos e tente esclarecer as suas dúvidas

Os dias, semanas e meses após a perda de um bebé são extremamente dolorosos e a verdade é que sentimos, e é um facto, que não há palavras para nos confortar. Se sentir revolta, raiva e angústia, saiba que é perfeitamente normal. Nestes dias parece que caímos num enorme buraco e que não vamos conseguir sair dele. Sentimos a perda de forma forte no nosso corpo. Arrancaram-nos uma parte de nós. 

Procure saber junto dos médicos quais foram as causas da perda do seu bebé. Poderá ajudá-la a amenizar a sua culpa e a encontrar as respostas que necessita.  

“Do lado de fora”, mas também de dentro, está o pai. O pai que luta para ver a mulher bem e que tudo faz para a amparar e ser um pilar no meio da dor. Converse sobre o seu companheiro e procure falar sobre os seus sentimentos. 

Não se culpe, nem julgue (ou pelo menos tente): o impacto na intimidade

É normal, após a perda gestacional ou neonatal, haver um abalo na intimidade. Para além da enorme perda ter impacto na vida íntima e em que como nos sentimos física e psicologicamente, as relações sexuais são muitas vezes associadas à gravidez. Saiba que é normal haver um afastamento sexual e impacto na intimidade. Dê tempo ao tempo e não se culpe por este impacto. 

Lamentamos imenso caso tenha passado ou esteja a passar neste momento por uma perda gestacional ou neonatal e desejamos-lhe muita força.

Demore o seu tempo. Respeite os seus sentimentos e as suas emoções.

Talvez queira ler também

Categorias
Ajuda prática Perda gestacional Perda tardia - Depois Pós-Perda

Procurar ajuda: Profissionais especializados em luto

Apesar de percebermos que uma perda gestacional ou neonatal é algo trágico e traumático e que o processo de luto dura uma vida, é, também, importante reconhecer quando precisamos de ajuda. Então, neste artigo, escrevemos sobre profissionais especializados em luto.

Profissionais especializados em luto, rumo

Quando o seu bebé morre, poderá ser-lhe oferecida ajuda para que inicie o processo de luto e para gerir as suas emoções de forma saudável para si.

Deste modo, muitos hospitais poderão indicar-lhe psicólogos que a acompanharão nesta jornada.

No entanto, gostaríamos de salientar que, apesar de toda a educação recebida, o luto é algo muito específico. Afinal, é, na sua essência, um trauma que precisa de cuidado. Daí, abordarmos o tema da ajuda especializada e vários profissionais especializados em luto que podem ajudar.

Profissionais especializados em luto – Psicólogos

Aceitar a perda e aprender a viver com o luto (e não em luto) é algo muito delicado. Muitas pessoas tentam superar o trauma inicial sozinhas. Todavia, nunca podemos esquecer o quanto a ajuda de profissionais que se especializam em luto pode fazer a diferença na sua saúde mental e recuperação.

Naturalmente, o processo de luto é, inevitavelmente, doloroso. Principalmente porque traz angústia, tristeza, mágoa e outros sentimentos que podem ser muito intensos.

No entanto, como somos uma sociedade que instiga o “andar para a frente” (mesmo que bem intencionado), muitas vezes tentamos continuar a nossa vida. Embora isto resulte para muitos, noutros casos não se respeita o nosso coração e o processo. A dor faz parte do processo de luto e deve ser sentida.

Desta forma, a ajuda de um psicólogo que se especializa em luto, será muito benéfico. Conforme o apoio que precisar, irá perceber as suas emoções e trabalhá-las para que as gerir mais eficazmente.

Pedir ajuda não é sinal de fraqueza – é um ato de coragem

Profissionais especializados em luto – Doulas

Apesar do conceito de Doula ser relativamente recente para nós, esta é uma das formas de ajuda mais antigas do mundo. Na verdade, a palavra Doula vem do grego “mulher que serve”.

Profissionais especializados em luto

Contudo, atualmente, as doulas são conhecidas por se dedicarem ao acompanhamento pessoal, emocional e físico da gestante. Uma Doula apoia emocionalmente uma mãe para que esta se sinta o mais segura e reconfortada possível.

Tal como quando os bebés nascem vivos e a doula oferece a sua ajuda emocional, quando há uma perda gestacional ou neonatal. Esta também é uma das competências de doulas especializadas no luto.

Assim, o que é importante perceber é que uma doula ajudará no que puder, dentro do aceitável, no hospital e até em casa. As doulas ajudam a humanizar os partos e a reconhecer o luto pelo que é, ajudando os pais a processar e aceitar o que aconteceu.

Talvez queira ler também

Categorias
Ajuda prática Pós-Perda

Voltar ao trabalho depois da perda gestacional

Voltar ao trabalho depois da perda gestacional pode ser desafiante e assustador. Neste artigo, deixamos alguns conselhos e dicas:

  • Tente pedir para visitar o local de trabalho antes de começar para ver como se sente e encontrar-se com os seus colegas de trabalho informalmente.
  • Pense sobre como partilhar as notícias ou com os seus colegas e se gostaria de partilhar a mensagem pessoalmente ou se prefere que a sua chefia ou alguém em quem confie no trabalho divulgue a notícia por si.
  • Caso não se sinta à vontade para ser abordada, pedir a um colega de trabalho em quem confie e de quem goste para avisar todos os colegas do seu regresso e pedir que não abordem o assunto;
  • Caso a abordem, pode já ter uma frase preparada para responder à pessoa sem a magoar: “Agradeço a tua preocupação, mas não quero falar sobre isso”.
apoio, regresso ao trabalho, suporte

Se se sentir sufocado(a), tire uma pausa, se puder. Voltar ao trabalho depois da perda gestacional não é fácil e é normal que possa ao início precisar de fazer uma pausa. Por exemplo, dar um passeio ou encontrar um espaço onde possa estar sozinho.

Poderá também ser bom falar em privado com um colega, ligar a um familiar ou amigo em quem confie. No caso de achar o regresso ao trabalho demasiado, fale com o seu supervisor ou médico de família sobre ter mais tempo de baixa ou em casa. Conheça aqui os seus direitos relativamente ao trabalho.

Talvez queira ler também

Categorias
Ajuda prática Família e Amigos Pós-Perda

Homenagear o seu bebé em datas importantes

Datas importantes como aniversários de nascimento ou morte, ou ocasiões geralmente celebradas em família, podem ser especialmente difíceis. O mesmo se passa com os dias da mãe e do pai. Como, normalmente, a antecipação é ainda pior que o próprio dia, por vezes, planear algo para o dia pode ajudar a distrair-se. Nestes dias, pode também sentir a necessidade de homenagear o seu bebé.

No caso de ter mais filhos, pode ser bom conversar com eles previamente sobre alguma data importante que possa ser mais pesada e explicar que nessas alturas podem sentir-se mais tristes. Aliás, não se surpreenda se também mostrarem indícios de sentimentos e outros comportamentos perto da data, pois é normal.

homenagem ao bebé

Datas importantes: o que pode fazer para homenagear o seu bebé

Férias e celebrações em família podem ser, de facto, alturas em que se sente, ainda mais, a falta do bebé. Por isso, algumas famílias celebram estas datas, acendendo uma vela ou organizando um dia especial para homenagear o seu bebé. Mas, na verdade, o que é importante é que faça o que é certo para si.

Por exemplo, pode marcar as datas com atos simbólicos para lembrar e homenagear o seu bebé, como visitar o cemitério ou o local onde espalharam as cinzas ou acender uma vela. Se celebrar o Natal, pode pôr um ornamento ou um sapatinho para o seu filho(a). Manter a memória pode ajudar os irmãos também e é algo importante no processo de luto.

datas especiais

Talvez queira ler também

Categorias
Perda tardia - Depois Pós-Perda

Causas da perda gestacional

sonhos

É importante apurar as causas da perda gestacional. Imediatamente, uma das primeiras perguntas que nos surge quando isso acontece é: “Porque é que isto aconteceu? Porque é que o meu bebé morreu?”

Embora seja incrivelmente difícil pensar numa autópsia ao seu bebé saiba que é muito importante e pode ajudar a descobrir o que se passou.

Apesar de soar bastante intrusivo, mas não é o caso. Aliás, esta é feita com imenso cuidado por parte dos profissionais responsáveis.

Sobretudo se pretender voltar a engravidar, os médicos poderão fazer investigação clínica. Assim, esta investigação pode ajudar a entender o que poderá ter contribuído para o falecimento do bebé.

Por norma, o seu médico falará consigo em relação a esta análise. Após o seu consentimento, o seu bebé será examinado por um especialista que tentará determinar a causa ou se há algum fator que possa afetar gravidezes futuras.

O que pode revelar esta análise?

Examinar o seu bebé e a sua placenta pode ajudar a perceber as causas da perda gestacional. Nem sempre esta análise oferece as respostas e, muitas vezes, os resultados são inconclusivos. Mediante o caso, este processo, pode demorar algum tempo.

No entanto esta análise pode:

  • confirmar ou mudar um diagnóstico prévio;
  • identificar condições que não foram diagnosticadas anteriormente;
  • excluir causas comuns de morte, como problemas com o desenvolvimento, crescimento e infeções;
  • ajudar a prever a possibilidade de voltar a acontecer numa futura gravidez;
  • fornecer informação sobre condições genéticas;
  • caso não saiba, pode revelar o sexo do bebé.

Quando a gravidez termina por razões médicas

Causas da perda gestacional, trsiteza

No evento de ter terminado a gravidez por razões médicas, este tipo de análises pode ser ainda mais relevante. Uma vez ser uma análise importante, esta vai além do que se encontra em ecografias detalhadas e diagnósticos. Contudo, a possibilidade de uma análise mais detalhada nestas situações dependerá da longevidade da gestação. É sempre aconselhável discutir as possibilidades com a equipa que a acompanha.

Para além dos exames ao bebé, os exames à sua placenta poderão também resultar em informação muito valiosa. Durante estes exames, a equipa médica recolhe amostras para depois as estudar em laboratório.

Categorias
Ajuda prática Pós-Perda

O luto na perda gestacional

o luto, o luto não é linear

O luto é, ainda, uma palavra tabu na sociedade. Infelizmente a perda de um bebé não termina quando recebemos as notícias, ou quando damos à luz ou até num funeral.

O luto é para a vida. Apesar dos pais e mães aparentarem estar “bem” passado um tempo, não há data de validade para isso. Não existe momento de filme, em que o sol nasce por de trás das nuvens e de repente se sorri e se continua, deixando para trás a tristeza.

Quando falamos em luto, há que ter em conta que este não é linear. Principalmente quando falamos de algo tão anti-natura como a perda de um bebé.

Primeiramente, muitos pais vão recolher-se na sua bolha em que a presença de outros pode ou não ser bem-vinda (é sempre preciso ouvir o que os pais dizem e querem). Por norma, fecham-se no seu mundo, a processar o que aconteceu.

Entretanto, o mundo continua e os dias passam. Depois começam “as primeiras vezes”. Estas são as primeiras saídas à rua e contato com pessoas que se conhece. Se, no seu caso, a gravidez tiver terminado numa fase avançada, vai ter, de certeza, de lidar com pessoas que vão perceber que ontem havia uma barriga e hoje não há, nem criança. Essas experiências podem criar grande ansiedade numa mãe, porque podem ou não levar a situações desconfortáveis. Tal como regressar ao trabalho, que é um passo gigante e assustador.

O luto e o regresso ao mundo

Todas estas coisas, tão simples antes da perda, tomam proporções enormes para um pai ou mãe que está a lidar com sentimentos de tristeza, dor, culpa e até vergonha.

Demore o tempo que precisar.

No entanto, as primeiras vezes vão acontecendo e a confiança vai voltando. Um dia, vai notar que nem todos os momentos do seu dia foram passados em tristeza e pode até ter conseguido uns sorrisos.

Porém, nesta altura, normalmente uns meses depois da perda, é também quando as pessoas à nossa volta, esperam que esteja “melhor”. Pensam: “Ela(e) agora já sorri, já vai trabalhar, já conversa e, acima de tudo, já é capaz de não chorar em público.”

Infelizmente, para os pais, não é preto e branco. Assim, estamos bem até não estarmos. A onda da tristeza está no nosso mar sempre, e, quando vem, é avassaladora.

Não importa quanto tempo passou, a lembrança de que a perda realmente aconteceu despoleta sentimentos de angústia que não são comparáveis à tristeza comum. Por isso, não há como controlar por muito tempo.

Se acabou de perder um bebé, por favor saiba que o mundo pode esperar um bocadinho enquanto se recompõe. Não se apresse a estar bem. Sinta o que tem de sentir, aceite o que aconteceu, tire o tempo que precisar para se despedir do seu bebé e perceber que, tristemente, ele não volta.

Além disso, note que está a fazer o luto de um futuro que sonhou e imaginou. Está também a despedir-se do que poderia ter sido e de ser mãe/pai daquele bebé. E isso, leva uma vida se for preciso.

Não deixe que os sentimentos a consumam, mas respeite-os e trabalhe-os. O seu “eu” do futuro vai agradecer.

E lembre-se, o luto é para sempre. Tal como é o amor.

o luto

Talvez queira ler também