Mais Ajuda: apoio à perda gestacional

Perder um bebé não é, infelizmente, algo que acaba no momento que dá à luz ou no dia depois do funeral. Provavelmente, esta perda é uma das mais trágicas e incompreendidas na vida. Na verdade, a falta de apoio e aconselhamento nos dias, semanas, meses e anos que se seguem, agravam o trauma e a possibilidade de tendências depressivas.

Por isso, é importante que procure ajuda; esta pode não ser só médica ou de apoio psicológico. Há uma forma de ajuda que é inestimável: partilhar, ler, ouvir experiências de pais e mães que passaram por algo semelhante. Enfim, alguém que entenda que o luto é para sempre. Tal como o amor.

Uma das razões pelas quais decidimos criar esta página foi a grande falta de divulgação e comunicação no que toca a este tema em Portugal quando sofremos a nossa perda pessoal.

“(…) Estima-se que entre 15 a 20% das gravidezes são interrompidas involuntariamente, ocorrendo a maior parte delas durante o primeiro trimestre de gravidez. Esta estatística não diz apenas respeito apenas ao continente Americano, mas a todo o mundo, o que significa que é um fenómeno mundial que tem de ser mais valorizado! (…)

Catarina, Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde